• Verti Consultoria

Amianto: o que a indústria não revela

Atualizado: Abr 21

O que é amianto (ou asbesto)?

Amianto (latim) ou asbesto (grego) são nomes de uma família de minérios encontrados na natureza e muito utilizados pela indústria no último século. Embora sejam globalmente reconhecidos como a causa n º 1 de câncer ocupacional no mundo, seu uso é proibido em apenas 55 países. Este mineral ainda é utilizado em países como Estados Unidos, Canadá, Rússia, China e Índia.Em 2017, o Brasil anunciou a proibição da produção, distribuição e uso de amianto, mas no atual governo o amianto pode voltar a ser produzido.


O amianto foi por muito tempo considerado como matéria-prima essencial, devido às suas propriedades físico-químicas. As fibras do amianto são incombustíveis, flexíveis, duráveis, resistentes e boas para isolamento térmico. Estas qualidades fizeram do amianto uma alternativa muito rentável à indústria, mas entre os anos 1970 e 1980 descobriu-se que o amianto é altamente tóxico.


Por que o amianto é perigoso?

As fibras microscópicas do amianto não podem ser vistas, ou sentidas através do olfato ou paladar, e o contato com o amianto não causa sintomas imediatos, por isso o contato pode acontecer sem que se perceba.


Quando as fibras de amianto se alojam no corpo elas permanecem, pois nunca se dissolvem e são extremamente difíceis de serem expelidas. Com o passar dos anos, as fibras de amianto presas no corpo podem causar inflamações, cicatrizes, e eventualmente danos genéticos às células do corpo.


A exposição ocupacional é a causa preliminar de doenças relacionadas com o amianto, seguidas pela exposição em segunda mão, ou seja pessoas que vivem em um ambiente contaminado ou utilizam regularmente produtos de consumo que contenham amianto.

Não existe uma quantidade segura em se tratando do contato com o amianto, mas geralmente os piores efeitos ocorrem quando uma pessoa é exposta a uma intensa concentração do mesmo, ou se o contato for regular durante um longo período de tempo. A principal via de contaminação é pelas vias respiratórias, seguida pela ingestão das fibras de amianto. Mais amianto acumula no corpo a cada contato, e não há nenhuma maneira conhecida de reverter os danos à saúde.


Preocupações ambientais

O amianto também tem um impacto negativo sobre o meio ambiente. A poeira de amianto pode facilmente viajar através do ar para o abastecimento de água ou permanecer sobre a superfície do solo, o que significa que ainda pode ser pego pelo vento e inalado. Por isso, o amianto pode representar um risco significativo mesmo depois de ter sido banido.


Doenças causadas pelo amianto

Os problemas mais comuns costumam ser nas vias respiratórias. As fibras de amianto acumulam-se nos tecidos pulmonares, causando doenças benignas como asbestose, pleurite e doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), que dificultam a respiração dos pacientes. Mas o amianto também provoca doenças malignas, como câncer de pulmão, mesotelioma pleural e mesotelioma peritoneal. Doenças relacionadas ao amianto muitas vezes levam 20-50 anos para se desenvolver, dependendo do caso.


Que produtos contêm amianto?

A segunda guerra mundial criou uma enorme demanda por amianto em navios navais e bases militares. Após a guerra, a indústria do amianto produziu artigos para a construção civil como: telhas, forros, pisos vinílicos, caixas d’água, divisórias, tubulações, vasos de decoração e plantio, etc. O amianto foi também usado nas guarnições de freios (lonas e pastilhas), em juntas, gaxetas e outros materiais de isolamento e vedação, revestimentos de discos de embreagem, tecidos para vestimentas e acessórios anti-chama ou calor, tintas e instrumentos de laboratórios. Foi também empregado nas indústrias bélica, aeroespacial, petrolífera, têxtil, de papel e papelão, naval, de fundições, de produção de cloro-soda, entre outras.

Produtos de consumo como vermiculita ou talco com amianto, expuseram ainda mais as pessoas ao mineral tóxico. A lista de produtos de amianto continuou, terminando apenas quando os perigos deste mineral foram revelados ao público entre os anos 1970 e 1980.


Remoção segura de amianto

Em alguns casos é importante remover um material contendo amianto, em outros casos é mais seguro deixar o material imperturbável. A avaliação de um profissional deve ser feita antes de qualquer atitude neste sentido.


Qualquer atividade de remoção de amianto deve ser feita com máscara e luvas. Materiais contendo amianto devem ser descartados em locais adequados, longe do contato com pessoas e animais.


Quem corre o risco de desenvolver doenças relacionadas com o amianto?

A grande maioria dos pacientes com doenças relacionadas com amianto pertencem às seguintes profissões:


Mineração

Fabricação de produtos contendo amianto

Construção civil

Bombeiros

Indústria pesada

Geração de eletricidade

Construção naval

Serviço militar


Os membros da família de trabalhadores da indústria do amianto também carregam um risco elevado de desenvolver uma doença relacionada ao amianto devido à exposição indireta. Os trabalhadores, muitas vezes inadvertidamente trazem pó de amianto para casa com eles em roupas contaminadas e ferramentas. Morar na vizinhança de uma mina ou de uma instalação de processamento de amianto também é um risco.


Valorizado por milhares de anos

Os egípcios antigos envolveram seus faraós embalsamados em pano de amianto, e os corpos de reis e generais medievais foram cremados dentro de envoltórios de amianto. Antigos aristocratas romanos jantaram com toalhas e guardanapos de amianto, que eles simplesmente jogavam no fogo para limpar.


Alternativas ao amianto

- A espuma de poliuretano é multifuncional, tem um preço acessível e é um isolante eficaz. Pode ser utilizada na construção civil para isolar e selar edifícios. Fabricantes de mobiliário utilizam este material em produtos de consumo como móveis e tapetes.


- A tela de sílica amorfa é um tecido de fibras de alta qualidade. Como o amianto, as fibras não apodrecem ou queimam, e são altamente resistentes ao calor. Este material é usado principalmente na construção naval, automotiva, elétrica, aeroespacial e metalúrgica.


- O polímero thermoset é feito de uma mistura de fibras de madeira e de agentes aglutinantes. Serve na fabricação de plásticos e adesivos moldáveis.


- A fibra de celulose é tipicamente feita de algodão, polpa de madeira, linho ou papel reciclado, que são quimicamente tratadas para melhorar suas propriedades. O cimento da fibra da celulose é um dos substitutos mais comuns do amianto para revestimentos de parede e teto, isolamento térmico, e telhados.


Além dos materiais citados acima, existem diversas alternativas ao uso do amianto. Desde que foram descobertos os problemas para a saúde humana relacionados com este mineral, uma série de materiais substitutos foram desenvolvidos.


As nações que ainda possuem minas de amianto em funcionamento, e continuam a fabricar produtos com amianto, o fazem apenas por ser um material de baixo custo. Nestes casos, o interesse econômico permanece acima dos diversos problemas de saúde que poderão surgir em todos que entrarem em contato com este material.


Você conhece alguém que trabalhou com amianto? Então deixe seu comentário!


Para saber mais:

https://www.inca.gov.br/exposicao-no-trabalho-e-no-ambiente/amianto

https://www.asbestos.com/

https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/0304389479800011


#amianto #câncerdepulmão #asbesto #asbestos #câncerocupacional #toxicologia #saúde #saude #meioambiente #evitetoxinas #livredetoxinas #toxinas #toxinasambientais #bemestar #saúdepreventiva #saudepreventiva #qualidadedevida #vidasaudável #vidasaudavel

Fale conosco!

Email: consultoria.verti@gmail.com

Tel: +55 (51) 9 9662 1344 (WhatsApp)

  • Preto Ícone Instagram
  • Preto Ícone Facebook
  • Preto Ícone LinkedIn

© 2020 por Verti Consultoria

Toxicologia - Saúde - Meio Ambiente